São Paulo- SP- Brasil- 17/12/2015- Por decisão judicial, as operadoras de telefonia móvel foram obrigadas a bloquear pelo período de 48 horas, em todo o Brasil, o aplicativo de troca de mensagens Whatsapp. A medida foi determinada pela 1ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo (SP), na tarde de ontem (16/12) e está sendo cumprida desde a 00:00 desta quinta-feira (17/12). Foto: Allan White/ Fotos Públicas

Taíse de Almeida Feijó, funcionária da agência de comunicação AM4 Inteligência Digital, foi nomeada (íntegra) para 1 cargo comissionado na Secretaria Geral da Presidência na 2ª feira (14.jan.2019). O órgão é comandado pelo ministro Gustavo Bebianno.

A empresa foi acusada de contratar disparos em massa de mensagens de WhatsApp para a campanha presidencial de Jair Bolsonaro (PSL). Taíse era responsável pela contratação das notas enviadas pelo aplicativo.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Feijó será assessora do gabinete de Bebianno. Ela irá receber 1 salário de aproximadamente R$ 10.300.

ZAPGATE

O caso Zapgate eclodiu com a publicação de uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo em 18 de outubro de 2018.

Segundo o veículo, empresas pagaram por disparos em massa de mensagens com conteúdos anti-PT via WhatsApp. O objetivo era beneficiar o candidato ao Planalto pelo PSL, Jair Bolsonaro.

O WhatsApp enviou notificação extrajudicial para 4 agências digitais. O apoio financeiro de empresas a candidatos é proibido pela lei eleitoral.

O portal UOL revelou em reportagem que tanto o PT quanto a campanha eleitoral de Bolsonaro haviam usado o mesmo sistema de disparo em massa de comunicação.

O jornal teve acesso a registros da AM4 que mostraram a exclusão de mensagens enviadas para a campanha de Bolsonaro horas depois da publicação sobre o esquema pela Folha.

O login de acesso para as ações da campanha estava no nome de Taíse. Ela atuava como gerente de projetos da AM4 já há 8 anos. De acordo com o TSE, a empresa recebeu R$ 650 mil para atuar no esquema.

O secretário-geral da Presidência foi questionado pela Folha sobre os motivos da nomeação de Taíse e informações sobre a atuação dela durante campanha eleitoral. Bebianno respondeu que a escolha foi feita por análise curricular e entrevista e que para admissão da vaga não é avaliada a experiência de empresas específicas, mas os resultados adquiridos ao longo da carreira profissional.

 

 

Fonte: Poder 360

DEIXE UMA RESPOSTA