Decisão foi tomada um dia depois dos demais bancos voltarem ao normal. Assembleia foi realizada, na noite desta sexta, na sede do sindicato.

Os servidores da Caixa Econômica Federal do Maranhão decidiram acabar com o movimento de greve e a partir desta segunda-feira, 10/10, as agências voltam a funcionar normalmente. A informação foi confirmada pelo Sindicato dos Bancários do Maranhão (SEEB) após assembleia realizada na noite desta sexta-feira, 07/10, em São Luís. A greve começou no dia 6 de setembro.

A decisão foi tomada um dia depois dos demais bancos voltarem a atender normalmente os consumidores. Nas assembleias de quinta-feira, em São Luís e Imperatriz, mesmo insatisfeitos com a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), os bancários do Maranhão retomaram as atividades.

De acordo com o sindicato, a proposta aceita pelos funcionários da Caixa foi à mesma apresenta na última quarta-feira pelos banqueiros e aceita pelos demais integrantes da categoria: reajuste de 8% em 2016 e abono de R$ 3.500. Esta foi à terceira proposta lançada para apreciação dos bancários. A proposta inclui ainda aumento de 10% no vale refeição e no auxílio-creche-babá, além de 15% no vale alimentação. Outro compromisso acordado dos bancos foi em garantir aumento real de 1% em todos os salários e demais verbas. Este acordo tem validade de dois anos.

Os funcionários da Caixa chegaram ao 32º dia de paralisação, contudo a maior parte das agências foi até o 31º dia. Durante este período, as agências dos bancos públicos em Balsas tiveram adesão parcial, atendendo somente casos inadiáveis ou de idosos. Esta foi a maior greve dos bancários já registrada.

A última paralisação dos bancários ocorreu em outubro de 2015, com duração de 21 dias. À época, a maioria da categoria aceitou a proposta apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de reajuste salarial de 10%, aplicáveis aos salários, benefícios e participação nos lucros, além de correção de 14% no vale-refeição e no vale-alimentação. A greve mais longa havia sido a de 2004, quando a categoria paralisou os serviços por 30 dias.

 

DEIXE UMA RESPOSTA