• Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), 2018 pode terminar com 68 mil novos casos registrados de câncer de próstata1
  • Para especialistas, políticas públicas para promover o diagnóstico precoce são essenciais para aumentar as taxas de cura

A campanha Novembro Azul, criada e desenvolvida pelo Instituto Lado a Lado pela Vida em 2011, a fim de conscientizar a sociedade sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata, tem este ano o lema: “A vida não é um jogo”. “O slogan visa alertar a população masculina que não se pode deixar a saúde de lado, ao acaso”, explica a presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida, Marlene Oliveira. A campanha incorpora a temática dos campos de futebol e cria o cartão azul, que tem a função de alertar os homens para a necessidade de realizar os exames de PSA (Antígeno Prostático Específico) e o toque retal para diagnosticar a doença o mais cedo possível. O cartão é o ícone das ações que acontecem durante o mês todo no Brasil, em diversos eventos e também em partidas de futebol.

A abertura oficial do Novembro Azul ocorreu em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) em 31 de outubro. Diversas ações serão realizadas por todo o país ao longo do mês. Além da distribuição de folhetos informativos sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata com uma chamada divertida – “Junte-se ao time da prevenção e marque um golaço pela sua saúde”, foram oferecidas à população masculina a aferição de pressão, peso e de circunferência abdominal. Para a presidente do Instituto Lado a Lado, o papel da entidade é oferecer informações confiáveis aos cidadãos, “sobretudo em termos de fake news”, reforça. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), 13 mil mortes deverão ser registradas no Brasil em 2018 em função da doença, sendo a segunda maior causa de óbito por câncer entre os homens, perdendo apenas para o câncer de pulmão.

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), homens a partir de 50 anos devem procurar um médico para fazer o exame de próstata. Quem tem parentes de primeiro grau com a doença ou histórico da enfermidade, também, homens negros, devem começar a fazer o exame antes, aos 45, segundo a entidade2. O rastreamento é composto por um exame de sangue para determinar o nível de uma proteína, conhecida como PSA ou antígeno prostático específico, que em excesso na corrente sanguínea pode indicar alterações na próstata, e pelo exame de toque retal.

Dados da SBU mostram que cerca de 40% dos diagnósticos de câncer de próstata são feitos por meio do PSA, outros 40% pelo PSA e toque retal e o restante detectado apenas no exame de toque3. “Quem identifica precocemente o câncer de próstata possui chance de cura de até 90%, de modo que exames devem ser solicitados por um médico e, no caso de um diagnóstico positivo, é recomendável que o homem procure um oncologista para que possam decidir juntos pelo melhor tratamento”, reforça o oncologista Fernando Maluf, diretor associado do Centro de Oncologia da Beneficência Portuguesa de São Paulo, membro do Comitê Gestor do Centro de Oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein e do Comitê Científico do Instituto Lado a Lado pela Vida e um dos porta-vozes da campanha Novembro Azul no país. “Ter acima de 50 anos, ser sedentário, ter uma alimentação inadequada e fatores genéticos, como histórico familiar da doença, combinados, aumentam a chance de surgimento da doença, daí a importância dos exames anuais”, alerta o Dr. Maluf.

Arsenal terapêutico – Em agosto deste ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ampliou a indicação da enzalutamida para tratamento do câncer de próstata resistente à castração não metastático. Com a ampliação, a terapia passou a ser a primeira e única medicação oral aprovada para câncer de próstata resistente à castração tanto metastático quanto não metastático no Brasil. A aprovação teve como base os resultados do estudo clínico fase 3 PROSPER – pesquisa clínica que avaliou a segurança e a eficácia do medicamento. “Os resultados do estudo foram bem significativos. Um deles, por exemplo, foi o aumento em mais de 70% da sobrevida livre de metástase, em fases mais precoces da doença”, explica Machado Moura, diretor médico sênior para América Latina da Astellas Farma Brasil, farmacêutica japonesa responsável pelo medicamento.

Políticas públicas – Debater a importância de políticas públicas de prevenção e tratamentos eficazes para a saúde masculina é a proposta do IV Fórum Ser Homem no Brasil, evento realizado em 14 de novembro no Tribunal de Contas da União (TCU), em Brasília (DF). Promovido pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, o encontro contou com a presença de parlamentares, representantes do Ministério da Saúde, profissionais e gestores de saúde; representantes de órgãos regulatórios como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), representantes de hospitais e de associações de pacientes. Para mais informações acesse: http://www.ladoaladopelavida.org.br/

Referências

1 Instituto Nacional de Câncer (Inca). Disponível no site. Acessado em 6/11/2018.

2 Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). Disponível no site. Acessado em 6/11/2018.

3 Instituto Vencer o Câncer. Disponível no site. Acessado em 6/11/2018.

 

 

Por Dayana Cardoso

DEIXE UMA RESPOSTA