Nem só o sal das águas do mar limpa nossa alma no Ano Novo, como acredita a maioria das pessoas. A pureza dos lagos que recebem as brancas cortinas das montanhas também lavam os velhos rastros e estendem o manto para a caminhada do Ano Novo. Foi assim que a família Jornal Folha do Cerrado cumpriu sua tarefa no 1º dia de 2018, sob as águas das cachoeiras do Poço Azul no município de Riachão/MA.

Enquanto mergulha, a personal Karla Rocha, vinda de São Paulo para conhecer a Chapada das Mesas, observa no funda da água cristalina os peixinhos em sua volta.

No balneário, dezenas de pessoas cruzavam as passarelas com mais 700 mts. no sobe e desce para conhecer ou renovar suas energias nas cristalinas águas que escorrem das montanhas em direção ao poço. Um aquário natural, onde pessoas e peixes se cruzam, desejando boas vindas ao novo ano de 2018.

Além disso, muitas outras trilhas nos levam a lugares encantadores, de onde podemos observar a natureza, de baixo ou de cima, mas com o mesmo espírito: à procura de paz e ganhar novas imagens para os olhos e para o coração.

 

Entre rochas que se passam por cálices, Dedo de Deus (foto ao lado) ou cachoeira dos namorados, mesa etc, cavernas coloridas pelo tempo ou formas que mexem com nossa imaginação.

Muitos visitantes tiveram a honra de passar o réveillon no próprio balneário e sem ser comunicados tiveram também o prazer de participar da festa de Ano Novo do próprio recanto, feita para os funcionários mas que não pouparam lugares para os turistas. Júnior, que estava com familiares vindos do estado da Paraíba para passar a festa de Ano Novo com sua família, e os levou para conhecer o Poço Azul, disse que adorou a surpresa “achávamos que íamos só curtir as cachoeiras e de repente, à noitinha, chamaram os visitantes que iriam dormir nos chalés para participar da festa deles (funcionários). Foi maravilhoso”. Contou Júnior.

Pequena Cachoeira do Moreno – parada na subida ou descida das escadas de 700 mts para refrescar.

Descer as escadas montanha abaixo exige poucos cuidados, mas subi-las exige resistência, o que já vem fortalecida pelos banhos sob as massagens atribuídas de várias quedas d’água. Mesmo assim, uma paradinha no meio delas para admirar o mirante vertical das falácias ou horizontal das florestas é gratificada por uma pequena cachoeira.

Tudo muito impressionante e curioso, aos olhos de quem procura entrar o Ano Novo com belas lembranças, que vigoram o coração e a mente para cultivar os melhores momento e aproveitar as melhores oportunidades que 2018 vai proporcionar a cada um.

Por força do destino, o repórter da Folha parece ter sido abençoado já quase no final do passeio. Alguma coisa no formato da imagem de Nossa Senhora ou Santa Bárbara apareceu no alto de uma gruta, no topo de uma pedra, em um lugar difícil da acesso. A imagem não tirava o olhar de minhas câmeras o tempo em que estive no local, próximo ao Dedo de Deus.

MAIS FOTOS:

A imagem de Nossa Senhora foi registrada pelas lentes da câmera da Folha.
Pedra do Cálice
Pedra da Mesa
Gruta na cachoeira de Santa Bárbara.

DEIXE UMA RESPOSTA