A Academia Imperatrizense de Letas (AIL), também, em nota informou que declarou a imortalidade literária de Waldir de Azevedo Braga.

A Academia Imperatrizense de Letras (AIL), emitiu nota de pesar pela morte do jornalista carolinense, Waldir de Azevedo Braga.  No documento, a entidade ressalta a importância de Waldir Braga para o Maranhão, em especial para Imperatriz.

Confira a nota

“A Academia Imperatrizense de Letras – AIL, consternada, comunica a morte do acadêmico Waldir de Azevedo Braga ocorrida na noite de terça feira, 12 de fevereiro de 2019, em Carolina, aos 90 anos de idade.

O acadêmico e jornalista falecido deixou forte marca de sua personalidade e aguçada consciência crítica de sua missão no mundo, pugnando incansavelmente por tudo o que acreditava.

O jornal Folha Maranhão do Sul foi seu último esforço de mudança que tanto sonhava, prestando portentoso trabalho em favor dos Sertões do Maranhão e do Estado do Tocantins, região que ele percorria e defendia com ardor.

Waldir Braga produziu belas páginas literárias em seu jornal, muitas delas também publicadas em O Verbo, revista desta Academia, que bem diziam de sua cultura, de sua sensibilidade social e política, razão porque a Academia Imperatrizense de Letras – AIL, cumprindo o ritual dos costumes acadêmicos,

DECLARA A IMORTALIDADE LITERÁRIA DE WALDIR AZEVEDO BRAGA, titular da cadeira 22, sob o patronato de Carlota Carvalho.

Cumprindo o doloroso dever, a AIL apresenta à viúva Genoveva Braga, a seus filhos e parentes, bem como à cidade de Carolina, sinceras condolências pela perda de Waldir Braga, cidadão de Escol, esposo e pai extremoso.

Imperatriz-MA, 13 de fevereiro de 2019.

Raimundo Trajano Neto

Presidente e todos os 39 confrades e confreiras, em luto acadêmico.”

 

 

Com informações do Maranhão Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA