Está sendo velado na Câmara Municipal de Imperatriz, desde o começo da noite, 26/03, o corpo do comunicador e empresário do ramo de comunicação, Coonor Pires de Farias de 63 anos de idade. Coonor Farias, como se tornou conhecido, apresentou por cerca de 25 anos, um programa de TV na cidade de Imperatriz, de nome Imperatriz 24 horas. Ele era dono do conglomerado de comunicação chamado de  Sistema Tucanus de Comunicação, que chegou a ser formado por um jornal impresso, uma emissora de rádio e uma emissora de TV, na qual ele apresentou até recentemente seu programa, sempre no horário nobre do meio dia, de segunda a sexta-feira, ou quando ele desejasse entrar ao vivo no ar por qualquer motivo. Ele também era advogado, mas nunca exerceu a profissão, e era dono de várias casas noturnas na cidade. No ano de 1977 ele comprou o extinto Balneário Estância do Recreio, local dos famosos festivais de música da década de 80 que lançaram artistas como Erasmo Di Bel, Chiquinho França, Carlinhos Veloz, Luís Carlos Dias e outros. O projeto do FABER foi idealizado pelo também apresentador de TV, Ernando Timóteo, e teve sua última edição em 1991.

Coonor Farias era tido como apresentador de TV polêmico, sempre defendeu grupos políticos os mais diversos, porém abria seu canal para formar vários outros comunicadores e profissionais como cinegrafistas e operadores de másters e repórteres. Ele também tinha um faro para os negócios que o fizeram acumular segundo alguns, uma fortuna avaliada entre 40 e 50 milhões de reais, principalmente em imóveis. Nos últimos anos, há cerca de mais de uma década, ele teria sido detectado como sendo portador do Diabetes, e o fato se agravou mais adiante. Com problemas causados pelos rins, ele fazia hemodiálise, porém seu estado de saúde se agravou bastante nos últimos dias, o que acabou por leva-lo a óbito no começo da madrugada deste domingo. Connor Farias morreu vítima de parada respiratória ocasionada por falência múltipla dos órgãos. O sepultamento do corpo de Coonor Farias deve acontecer nesta segunda-feira, lá mesmo em Imperatriz. Durante o velório, vários colegas do apresentador tem passado pela Câmara Municipal, e deixam suas impressões sobre a vida de um dos mais famosos apresentadores de TV daquela região. O cinegrafista Bosco Brito, tem feito transmissões ao vivo da Câmara através de seu face book.

O COMEÇO DE TUDO

Apesar do que muitos tem escrito em blogs e nas redes sociais, Connor Farias começou sua carreira de comunicador como repórter no ano de 1977, no Jornal O Progresso, depois no recém lançado jornal O Fato, onde formava dupla de reportagem com o também jornalista e hoje empresário do ramo de comunicação, dono do Sistema AGORA de Comunicação, Clélio Silveira Filho. Os dois trabalhavam sob as ordens do coordenador de jornalismo de O Fato, Sérgio Macedo, levado do Jornal O Progresso, para dirigir o jornal que era de propriedade do jornalista Carlos Passos – de São Luís. A veracidade deste fato está na foto postada nesta matéria, que é de propriedade do arquivo do jornalista Clélio Silveira Filho – o primeiro a apresentar um programa de variedades  ao meio dia na TV de Imperatriz, estreado em novembro de 91, cujo programa contava com a colaboração de nomes como Jurivê de Macedo, Dona Neneca Mota Melo, Jânio Arley, Elson Araújo, Jonas Ribeiro e Aldrey Barbosa, Dr. Viégas,  entre outros,

A foto onde aparecem Coonor Farias e Clélio Silveira (à direita), registra o momento em que ambos entrevistavam no Aeroporto de Imperatriz em 77, o então articulista político do jornal Correio Brasiliense, Edson Lobão, que viria a ser candidato e eleito deputado federal em 1978, cujo restante da história política todos acompanham até hoje. A foto tem cerca de 40 anos. Mais tarde, na década de 90, Clélio Silveira, a partir da metade do ano de 1994, passou a dividir com Coonor Farias a disputa pelo horário nobre do meio dia às 2 da tarde pela TV Capital de Connor. Ele apresentava de meio a uma da tarde o seu Imperatriz 24 horas e em seguida Clélio Silveira vinha com o programa que levava seu nome, de uma às duas da tarde. Ambos foram grandes amigos e desenvolveram alguns projetos Juntos. Quando comprou o Balneário Estância do Recreio em 1977, e quando presidiu o time do Imperatriz, salvo engano em 1998, ambos estavam juntos. Em 2003 Clélio deixou Imperatriz, mas ainda se encontrou com Connor algumas vezes em reuniões da classe em São Luís. Ao saber da morte de Connor na manhã deste domingo, Clélio rezou pela alma do amigo e buscou seu arquivo de fotos onde estão registrados vários momentos dessa parceria e convívio profissional que durou muitos anos. Clélio e sua mulher  Aldrey Barbosa, enviam aos familiares amigos e colegas de Connor Farias os mais sinceros pêsames.

DEIXE UMA RESPOSTA