O quarto Curso de Elaboração de Projetos nas tecnologias de Agricultura de Baixo Carbono (ABC) encerrou-se nesta quinta-feira, 09/03, em Chapadinha, formando 28 novos técnicos nessa modalidade. Com duração de três dias, o curso é direcionado a técnicos do setor agropecuário e abordou as linhas de crédito dos bancos para financiamento de projetos ligados às tecnologias de baixa emissão de carbono.

Marta Costa é agrônoma e projetista de Caxias e pela primeira vez teve acesso a informações sobre projetos na linha do ABC. “Essa tecnologia é uma oportunidade de recuperar pastagens, melhorar as condições do solo e melhorar a nossa produtividade. A linha de crédito do ABC é magnífica, com várias possibilidades, o gargalo que tínhamos era a falta de informação. Agora, com certeza, ela vai despertar interesses dos produtores da nossa região em buscar esse tipo de financiamento”, disse.

A Agricultura de Baixa Emissão de Carbono tem como base estratégias, processos, métodos e sistemas que permitam conciliar a produção de alimentos, madeira e bioenergia com redução de emissão dos Gases de Efeito Estufa (GEEs). O ABC também busca desenvolver processos que permitam a geração de energia renovável nas próprias fazendas, para utilização das instalações agrícolas e residências em substituição da energia gerada a partir de fontes não-renováveis.

Com o objetivo de difundir essas tecnologias, a Sagrima vem realizando, desde 2015, capacitações com técnicos do setor agropecuário, que passam a atuar como multiplicadores em pequenas e médias propriedades do estado. Ao longo de 2016, mais 600 profissionais participaram dos 13 cursos e eventos sobre Recuperação de Pastagens Degradadas; Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Florestas; Sistema de Plantio Direto; Florestas Plantadas e Elaboração de Projetos.

“É nosso papel fazer do nosso estado uma terra cada vez mais produtiva, sustentável e que gere riquezas e oportunidades para todos. Nesse contexto, a difusão de novas tecnologias, a exemplo do ABC, e a capacitação são fundamentais para alcançarmos esse novo patamar produtivo”, explica o secretário da Sagrima, Márcio Honaiser.

No Programa Mais Produção, essa tecnologia já vem sendo aplicada, na cadeia produtiva da carne e couro, com a implantação de Unidades de Integração Lavoura e Pecuária (UDILPs), em nove municípios.

 

Fonte: Ascom/Sagrima

DEIXE UMA RESPOSTA