A enorme região dos Gerais de Balsas, no extremo sul do município, e sul do estado do Maranhão, onde ficam as nascentes do Rio Balsas, levou a SEMA – Secretaria Estadual do Meio Ambiente, a transformar o pequeno auditório da UFMA em grande palco de discussões em torno da preservação das reservas dos recursos naturais.

Na audiência pública na tarde desta quarta-feira, 24/05, a equipe da SEMA teve a oportunidade de reunir ONGs, produtores, ambientalistas, empresários, representantes dos governos estadual e municipal e as comunidades civis, que buscam respostas mediante àquela secretaria quanto à preservação da fauna, flora e principalmente da questão hídrica que sustenta todas as outras vidas do sul do Maranhão.

Por longos minutos, a bióloga Janaína Dantas, superintendente de Biodiversidades e Áreas Protegidas da Sema, explicou a vinda de sua equipe dizendo que “esta 2ª expedição demorou mais na região para fazer um levantamento completo da vegetação das nascentes, ainda no mês de maio, onde os pesquisadores descobriram a tamanha biodiversidade e puderam detectar , junto a uma ornitólogo 137 espécies de aves” que sobrevivem às lavouras de grãos e planícies pastagens. Janaína foi mais além e disse que “temos que planejar para preservar não só as nascentes da cabeceira, mas todas as outras nascentes que foram encontradas no curso do rio”. De acordo com a SEMA, a  expedição teve o objetivo de diagnosticar a real situação das nascentes do Rio Balsas e da biodiversidade local, como a avifauna, o inventário florestal nas nascentes, além das características físicas e identificação das unidades litoestratigráficas da região. Tais estudos estão em desenvolvimento pela SEMA para viabilizar um diagnóstico mais detalhado da área e, posteriormente, a atualização dos limites da Unidade de Conservação, com abrangência de 655.000 ha, área devastada, substituída pela produção agrícola.

Janaína confirmou que “foi identificado que, no geral, a vegetação das áreas das nascentes encontra-se em bom estado de conservação, ocorrendo pontuais intervenções, tais como: atividades já consolidadas de plantios de grãos, queimadas e aterramento de veredas/áreas baixas, que também foram catalogadas para fins de investigação por imagens orbitais. Em relação ao estado de conservação de córregos e nascentes, verificou-se que, no que se referem às APP’s, as mesmas encontram-se, preservadas com intervenções pontuais”.

A secretária adjunta da SEMA, Talissa Moraes disse à reportagem que a SEMA está se disponibilizando para assentar uma nova secretaria em Balsas para dar mais suporte à legalização da reserva de preservação da APP e melhorar a fiscalização  e combater o crime ambiental:

Durante a audiência, o clima esquentou e as discussões se tornam mais ávidas quando o vereador Gilson da Bacaba, um dos mais ativistas em defesa deste cerrado, manisfestou-se contra o atraso nos levantamentos e nas ações do governo para a criação de parques municipal e estadual. Para ele, a intenção do governo do MA é apenas criar uma APA, que para já existe desde 1996 mas “é uma APA onde se pode fazer lavouras, pastagens para gado e daí por diante”. Contesta o vereador.

O presidente do IDERB, Miranda Neto, ressalta que as imagens apresentadas durante a apresentação da bióloga e superintendente Janaína, por si só já dizem o suficiente para que o governo tome decisões de ampara ao meio ambiente. A Ong, que todos os anos faz uma expedição no mês de setembro àquela região e conta com a participação de mais de 50 pessoas, em uma caravana de 20 carros, em média, se aprofundou em conhecer as nascentes, acompanhada de fotógrafos, imprensa, estudiosos e professores, além de levar donativos à população ribeirinha e panfletos para explicações educativas  aos moradores, já se prepara para a próxima expedição deste ano.

Miranda Neto, integrado de boa parte da equipe do IDERB (com uniforme da Ong), disse que a presença do instituto na audiência é buscar, em caráter de urgência, medidas dos governos que resolvam os problemas antes que seja tarde.

O prefeito ainda recebeu das mãos de um participante da audiência, mudas de plantas, que segundo ele, é nativa e promete, que se nascer e quiserem mais ele doa até mais de 200.

O prefeito de Balsas, dr. Érik Silva, este momento é um grande avança e que a prefeitura está se unido ao governo do estado para garantir também junto às ONGs de Balsas a preservação do meio ambiente:

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA