O objetivo do painel é mostrar os avanços alcançados na agenda de combate à conversão de ecossistemas naturais no bioma.
O objetivo do painel é mostrar os avanços alcançados na agenda de combate à conversão de ecossistemas naturais no bioma.

Como parte da Cúpula Global de Ação Climática (Global Climate Action Summit em inglês), o WWF promoverá vários painéis em um dia dedicado a debater o uso da terra, a importância das florestas e a produção de alimentos e suas relações com as mudanças climáticas no Pavilhão Panda durante a 24ª Conferência de Partes da ONU para o Clima (COP24) das Nações Unidas.

O evento chamado “The 30X30 Forests, Food and Land Challenge” é uma chamada às empresas, governos e cidadãos globais a agirem agora para melhorar a conservação das florestas e habitats naturais, o uso da terra e a produção e consumo de alimentos, trabalhando juntos em todos os setores da economia para fornecer até 30% das soluções climáticas necessárias até 2030.

No dia 12 de dezembro, haverá um painel especial promovido pelas práticas de Alimentos, Mercados, Florestas e Clima do WWF em parceria com IPAM e IMAFLORA, e organizado pelo WWF-Brasil com foco no Cerrado – a savana de maior biodiversidade do mundo. Chamado de “30 x 30 Forest, Food, Land Challenge on the ground: Spotlight on the Cerrado –Brazil, esse painel trará representantes do governo brasileiro, da sociedade civil e do setor privado para mostrar como a discussão vem se tornando realidade no Bioma que ocupa 25% do território brasileiro. Em diferentes frentes relacionadas à conversão da vegetação natural, tivemos avanços que nos colocam mais próximos de mudar a curva de degradação do Cerrado.

“Desde a década de 1950, a agricultura – mais recentemente, a rápida expansão da produção de soja e carne bovina, aliada à especulação imobiliária – no Cerrado causou a perda de cerca de metade da vegetação nativa do bioma. Até 2030, o Cerrado deverá perder dezenas de milhões de hectares adicionais de vegetação nativa se seguirmos o modelo atual de expansão”, explica Edegar de Oliveira Rosa, coordenador do programa Agricultura e Alimentos do WWF-Brasil.

Apesar deste histórico, o coordenador acredita que o cenário atual representa uma oportunidade única de salvar o restante do Cerrado agora em uma escala global de articulação. “Estamos muito próximo de alcançar um marco mundial na agenda da conversão zero da vegetação natural do bioma. A articulação pelo Cerrado de empresas da cadeia de valor da soja (SoS Manifesto) reúne hoje 125 empresas globais dispostas a assumir tal compromisso, e além disso, adquiriu um alto nível organizacional entre as parte e articulação com empresas e iniciativas ligadas a produção e sociedade civil aqui no Brasil, o que indica que há grandes chances de se ter um grande pacto global pela biodiversidade com uma dinâmica nunca visto anteriormente”, comemora.

A saga da soja
Durante o evento do Cerrado na COP24, haverá também o lançamento de uma plataforma multimídia com interações cartográficas e visuais conhecida como story map, desenvolvida para contar o complexo processo de produção, processamento e comercialização de soja no Brasil e seu caminho pelo mundo.

“A Saga do Grão – o caminho da soja brasileira” é uma plataforma digital pensado para facilitar a compreensão acerca da soja no Brasil, sua entrada e expansão pelo território nacional, as características do cultivo, a participação dos estados no volume produzido, destino da produção e principais atores desse processo”, explica Denise Oliveira, líder de campanhas do WWF-Brasil.

Combinando conteúdo, imagens, mapas e depoimentos, o material mostra, de forma simples, os impactos à biodiversidade e aos ecossistemas e procura, principalmente, enviar uma mensagem de que é urgente e possível diminuir o desmatamento causado pelo plantio de soja em biomas fundamentais e ameaçados como o Cerrado.

“As projeções disponíveis mostram que a demanda mundial por soja continuará a crescer e, consequentemente, é provável que a produção aumente. Opor-se ao aumento esperado na demanda não oferecerá uma solução viável para esta realidade. Todavia, desmatamento e conversão da vegetação nativa para soja não são necessários e nem justificáveis – pois as áreas já abertas são suficientes para triplicar a produção sem abrir novas áreas”, reforça Jean Timmers líder global da soja do WWF.

O WWF-Brasil acredita que é possível direcionar este aumento esperado para um caminho mais responsável, além de aprender com os impactos sociais e ambientais negativos do passado e do presente.

Para saber mais: www.wwf.org.br/sagadasoja

Serviço:
30 x 30 Forest, Food, Land Challenge on the ground: Spotlight on the Cerrado –Brazil
Horário: 12h às 13h (Kateowice, Polônia)
Local: Pavilhão Panda na COP24
Moderação: Maurício Voivodic, diretor executivo – WWF-Brasil

Participação:
IPAM
IMAFLORA
Ministério do Meio Ambiente
Global Canopy

Sobre o WWF

O WWF-Brasil é uma organização não governamental brasileira dedicada à conservação da natureza, com os objetivos de harmonizar a atividade humana com a conservação da biodiversidade e promover o uso racional dos recursos naturais em benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações. Criado em 1996, o WWF-Brasil desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF, a maior rede mundial independente de conservação da natureza, com atuação em mais de 100 países e o apoio de cerca de 5 milhões de pessoas, incluindo associados e voluntários.
Por Giovanna Leopoldi

DEIXE UMA RESPOSTA